Dj Bibba Pacheco em ação

Material produzido durante apresentação da Dj Bibba Pacheco no Planeta Atlântida 2010, SC.

Coleção Redeiras

A Coleção Redeiras apresenta produtos produzidos pelas mãos de um grupo de artesãs da Colônia de Pescadores São Pedro – Z-3, localizada no extremo sul do Brasil. Elas transformam lixo em arte, reciclando escamas de peixe, redes de pesca e couro de peixe. O grupo é orientado pelo Serviço de Apoio a Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae/RS), que executou o planejamento de cada etapa do projeto, desde a criação das peças até a administração da coleção.

A Coleção Redeiras foi lançada na 17ª Paralela Gift que acontece de 26/02 a 01/03 no espaço de eventos do Shopping Center Iguatemi/SP.

fonte: Redeiras

Abaixo algumas imagens produzidas para o catálogo impresso e site.

Fotografias: Vinícius Costa e Nauro Jr

Agência: Satolep Press

Campanha Ecosul de Verão 2010

Campanha de verão para Ecosul, criada pela Agência Yes Propaganda e fotos produzidas por Vinícius Costa para agência Satolep Press.

 

 

 

Franceses visitam o interior do Rio Grande do Sul

Evento do Ano da França no Brasil reúne representantes dos dois países em Assentamento Agrário

 

Fotos: Vinícius Costa
Texto: Carla Viana       
Entrelinhas Comunicação

 

A integração entre França e Brasil foi além do intercâmbio. A inauguração da Queijaria Mãe Natureza, no Assentamento Nossa Senhora da Glória, no dia 06 de novembro, conseguiu comprovar isso. A parceria que começou no 1° Fórum Social Mundial (2001), sediado na cidade de Porto Alegre, teve sua concretização no ano em que Brasil e França celebram a troca de experiências. Durante o período de oito anos, representantes das duas nacionalidades viajaram e descobriram realidades muito semelhantes. Com tecnologia francesa e investimentos dos dois países, produtores de leite locais inauguraram a primeira indústria localizada em um assentamento.

 

 

Com a parceria do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), do Movimento dos Sem Terra (MST), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e das Organizações Não Governamentais (ONG) Holos e Soleil, seis famílias podem agora produzir queijos e iogurtes em larga escala.

 

A cidade de Genest St Isle, no Oeste da França, e os municípios de Herval e Pedras Altas (RS), participaram conjuntamente. Nicole Bouillon, prefeita do município francês se diz honrada em ter recebido agricultores brasileiros em sua cidade e mais ainda por ter sido tão bem recebida no Brasil. “Estou muito orgulhosa e contente de ter sido acolhida aqui, sobretudo no Ano da França no Brasil”, declara Bouillon. “Viemos aqui para olhar o produto do nosso irmanamento, que com certeza permanecerá”, completa.

 

Jean Yves Griot, presidente da Associação “Solidariedade, Intercâmbio Aqui e lá” (Soleil) e também produtor de leite do Oeste francês observa que o intuito deste trabalho é gerar oportunidades e dar exemplo para outras famílias. “Admiro a força dos brasileiros e a capacidade que se tem em pensar no bem do próximo”, comenta.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, também presente no evento, destaca a importância desta experiência. “Agregamos valores aos assentamentos e mostramos que a cooperação entre dois países pode melhorar muito a vida das pessoas”, destaca Cassel.

Para Didier Boursier, presidente da Holos, a inauguração da queijaria simboliza a construção e o sucesso de programas sociais no Brasil. “O Brasil é um país do futuro e nós (franceses) temos muito a aprender com um país tão rico e formidável como o de vocês”, observa.

Com perspectiva de continuar colaborando com atividades sociais no Brasil o grupo de dez franceses apontou o apoio ao ensino fundamental em assentamentos, como o próximo projeto. De acordo com Bouillon, o acesso à internet e ao estudo ajudará a melhorar a vida no campo. Para que esta parceria continue uma escola de Genest St Isle e outra de Pedras Altas já estão se correspondendo através de cartas.

A comemoração em solo brasileiro terminou com um prato típico do Rio Grande do Sul, um grande churrasco campeiro que deixou os franceses com água na boca e plenamente satisfeitos: “Maravilhoso”, elogiou Griot.

 

Os patrocinadores do Ano da França no Brasil
Comitê dos patrocinadores franceses:
Accor, Air France, Alstom, Areva, Caixa Seguros, CNP Assurance, Câmara de Comércio França-Brasil, Dassault, DCNS, EADS, GDF SUEZ, Lafarge, PSAPeugeot Citroën, Renault, Saint-Gobain, Safran, Thales, Vallourec.
Patrocinadores brasileiros:
Banco Fidis, Bradesco, BNDES, Caixa Econômica Federal, Centro Cultural Banco do Brasil, Correios, Eletrobrás, Fiat, Gol, Grupo Pão de Açúcar, Infraero, Oi, Petrobras, Santander, Serpro, SESC.
Parceria e realização:
TV5, Ubifrance, Aliança Francesa, Culturesfrance, République Française, TV Brasil, Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Cultura, Governo Federal do Brasil.
Informações para jornalistas:
Assessoria do Ano da França no Brasil: Entrelinhas Comunicação
Contatos: (11) 3066-7700 e franca.br2009@entrelinhas.net
As fotos também estão disponíveis no flickr  e os vídeos no youtube

Exposição Doces Recordações

Trabalho realizado em parceria com o amigo e fotógrafo Edu Rickes.

Belas imagens que mostram um pouco dos encantos da Fenadoce. Tudo registrado pelos fotojornalistas Vinícius Costa e Eduardo Rickes, que se utilizaram de muita sensibilidade e técnica para captar momentos perfeitos deste grande evento. A exposição “Doces Recordações”, que ocorre de 21 a 28 de setembro no Espaço de Convivência da Universidade Católica de Pelotas – UCPEL, vai mostrar ao público fotografias que definem muito bem o novo espírito lúdico da Fenadoce.

Fonte:  Assessoria de Imprensa CDL/Pelotas

Assessoria de Imprensa 17ª Fenadoce

 

A Feira Nacional do Doce, conhecida popularmente como Fenadoce, é o ponto alto do calendário de Pelotas, a maior cidade da região sul do Rio Grande do Sul. Sendo este um evento anual que promove a cultura doceira da cidade –

herança da colonização portuguesa e alemã – e o desenvolvimento da região para todo o Brasil.

 

 

 

 

Castelo

Castelo

 

Corte da 17ª Fenadoce

Corte da 17ª Fenadoce

 

Durante a feira, evento que fiz parte da Assessoria de Comunicação, produzi material fotográfico que foi usado pelos veículos de comunicação de todo país e um amplo acervo utilizado por toda equipe da jornalista Rita Witch, responsável pela parte de comunicação do Evento.

 

 

 

 

 

Imagem aerea do Centro de Eventos de Pelotas durante a 17ª Fenadoce

Imagem aerea do Centro de Eventos de Pelotas durante a 17ª Fenadoce

 

 

Um pouco de história:

A Fenadoce nasceu em 1986, criada pelo Poder Público associado a outras entidades. A Câmara de Dirigentes Lojistas de Pelotas assumiu o evento em 1995. Desde então, a feira só cresceu. No início, acontecia a cada dois anos, sempre em um local diferente na cidade. A partir de 2000, tornou-se anual e ganhou endereço certo: o Centro Internacional de Cultura e Eventos, próximo ao principal trevo de entrada do município. Hoje, o evento torna-se o centro das discussões de toda a população durante o período em que ocorre. Também atrai visitantes de fora, de outras partes do Brasil e do Mercosul. Convidados ilustres da área da política e do entretenimento sempre comparecem.

 

Dona Zilda, doceira tradicional da cidade

Dona Zilda, doceira tradicional da cidade

 

Espaço Fábrica do Doce

Espaço Fábrica do Doce

 

Cidade do Doce

Cidade do Doce

 

Durante a Fenadoce 2009, alguns eventos culturais fizeram parte da programação da Feira.

Fizeram parte dessa programação:

– 1º Musicalda Fenadoce, um festival autoral competitivo aberto e de gênero musical livre. Onde teve como objetivo a divulgação e promoção de novos talentos da música brasileira.

 

Grupo Voz, vencedor do Festival

Grupo Voz, vencedor do Festival

 

– 1º Cenadoce – Mostra de Teatro da Fenadoce; que teve como meta incentivar, apoiar e divulgar todas as manifestações artísticas e culturais da cidade, durante o evento, ocorreu também uma mostra aberta a todos os grupos de teatro da cidade.

Cenadoce

Teatro Cenadoce

 

– 1º Cine grandes Curtas, onde foi realizada uma parceria entre a comissão organizadora da Feira e a Associação Pelotense do Cinema – Cinepel, onde objetivo maior foi o de realizar o primeiro festival nacional de filmes e vídeos de Pelotas.

 

 

 

 

 

Cine Grandes Curtas

Cine Grandes Curtas

 

– Este ano a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) em parceria com a Agência de modelos Mega Model Pelotas, promoveram o 1º Fenadoce Mega Fashion; em busca de um novo rosto para o mercado da moda.

 

Vencedora do Fenadoce Mega Fashion

Vencedora do Fenadoce Mega Fashion

 

  

Um dos pontos altos deste ano ficou por conta do desfile temático, criado pelo diretor artístico Zeca Zenner.

 

 

 

 

Desfile Temático

Desfile Temático

Para compor a temática apresentada no desfile da 17° Fenadoce, o artista teve sua inspiração por meio das animações e essencialmente pela magia do mundo da Disney. Porém, segundo a assessoria da Feira, toda a elaboração dos desenhos dos bonecos é parte de um projeto autoral.  

 

 

 

 

Desfile Temático

Desfile Temático

 
Apresentações de música e dança, movimentaram o Palco principal da Feira, onde se apresentou a Orquestra e Coro da Sociedade Música pela Música, com um espetáculo popular, composto por canções românticas, em comemoração ao dia dos namorados.
 
 
Apresentações de dança

Apresentações de dança

 

Apresentações musicais

Apresentações musicais

 

Sinfônica Musica pela Música

Sinfônica Musica pela Música

 

 

 

 

 

 

 

 

Documentário A Marcha de um Movimento

MST em Foco, a Marcha de Um Movimento

 

  

 

Este Documentário Fotográfico foi realizado em maio de 2005, totalizando quinze dias de registros feitos sob as lentes de Vinícius Costa, acompanhando a “Marcha Nacional pela Reforma Agrária”; que teve início na cidade de Goiânia; e após caminhar mais de 230 km os doze mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, que participaram da Marcha chegaram à Brasília. A marcha teve o apoio de prefeituras de Goiânia e Brasília, além de milhares de pessoas anônimas que de alguma forma cooperam com o MST, bem como entidades, religiosos, ONGs, partidos políticos e parlamentares que viabilizaram a realização da Marcha.

Em suas fotografias, Vinícius registrou o dia-a-dia dos integrantes do Movimento, seus acampamentos, reuniões e atividades culturais.

Durante a longa caminhada nos dias que conduziram a Marcha, Vinícius Costa conquistou um contato direto e intimista com as pessoas que estava fotografando, fruto de um convívio diário e entrega total ao trabalho.

Caminhando ao lado dos manifestantes, registrou em suas lentes atentas imagens raras do Movimento. Sofrendo muitas vezes como o calor intenso dos dias de longas caminhadas, ou com o frio que era companheiro nas noites de descanso. Seu trabalho não se limitou somente em fotografar, mas sim “vivenciar” a realidade daquelas pessoas.

 

A seguir algumas imagens que fazem parte deste trabalho.